Biomarcadores

Biomarcadores

 

 Resumo


Os cientistas estão procurando biomarcadores que irão fornecer o diagnóstico precoce da ELA e vão ajudar na elaboração de ensaios clínicos decisivos de novos medicamentos. Biomarcadores são as moléculas ou estruturas do corpo que podem definir uma condição particular. Biomarcadores que estão presentes apenas no estado de doença, ou que mudam significativamente com a doença, seriam uma assinatura química que os médicos poderiam ler em uma amostra de sangue ou outro fluido corporal obtido facilmente, como o que banha o cérebro e a medula espinhal, chamado de líquido cefalorraquidiano (LCR).

 

O que são biomarcadores?

Biomarcadores são por definição um indicador de uma condição particular no corpo. Eles podem ser qualquer entidade que muda em quantidade ou que aparece ou desaparece com uma mudança no estado do corpo. As doenças tais como a ELA, que são extremamente difíceis de diagnosticar pelos métodos usuais como exame de sangue ou urina, ou por exame clínico, poderiam revelar uma série de biomarcadores validados, moléculas que a concentração muda, ou aparecem e desaparecem, com a doença, ou que estruturas são alteradas pela doença.

O que poderia servir como um biomarcador para a ELA?

Os pesquisadores procuram as proteínas que existem em células ou são secretadas por células, ou qualquer outro produto de metabolismo, o que mudaria com a ELA. É provável que, para as moléculas, vários teriam de mudar de concentração ou de ser diferencialmente presente ou ausente de modo a refletir precisamente a ELA.

Métodos agora disponíveis permitem analisar pequenas quantidades de fluidos obtidos a partir de seres vivos. Superfícies carregadas das fichas de ligação a proteínas podem separar todas as diferentes proteínas que se encontram no sangue ou no fluido cefalorraquidiano (CSF) que banha o cérebro e a medula espinhal, ou na urina ou outras secreções corporais. Os pesquisadores podem utilizar uma técnica muito sensível para identificar as moléculas separadas, chamada espectrometria de massa. Os resultados preliminares das investigações mostram que determinadas moléculas são, na verdade reduzidas no CSF na ELA, e outros aumentam. Mas estes biomarcadores potenciais devem ser verificados como indicadores precisos da doença antes que elas possam ser feitas em um teste de diagnóstico.

Outras rotas para um biomarcador de ELA seriam estudos de imagem, estes podem mostrar que certas modificações no cérebro ou na medula espinhal acompanham a doença e são específicos à ELA. Novos métodos de imagem prometem a especificidade e sensibilidade que são necessários para produzir um diagnóstico de ELA. Qualquer medida que muda com ELA e é específica para a ELA, e não irá confundir ELA com outro transtorno, poderia servir como um biomarcador para a doença.
 

Biomarcadores para ELA: Pesquisas atuais

Biomarcadores de diagnóstico são as moléculas pequenas que podem ser detectadas no sangue ou líquido cefalorraquidiano (CSF) e estão associados com a doença. Biomarcadores irão permitir um diagnóstico mais precoce e preciso da ELA, com maior chance de tratamento mais cedo para alterar seu curso. Biomarcadores também tornarão possível medir a eficácia dos diferentes tratamentos com drogas em ensaios clínicos. Um conjunto de 19 proteínas tem se mostrado promissor como um painel de biomarcadores para a ELA. Os pesquisadores irão continuar testando amostras com foco em CSF, uma vez que o mais alto nível de biomarcadores pode ocorrer lá. Além disso, eles vão se concentrar em biomarcadores detectados em pacientes com ELA que não receberam Riluzol, uma vez que um diagnóstico de ELA provavelmente será para as pessoas que ainda não receberam uma medicação para ELA. É importante ressaltar que os pesquisadores vão buscar a identidade das proteínas e dos biomarcadores metabólicos que parecem ser específicos para a ELA. Isso ajudará a explicar as razões moleculares para a doença e informar a busca de potenciais tratamentos medicamentosos.
 

Fontes:
Associação Americana de Esclerose Lateral Amiotrófica
Associação Brasileira de Esclerose Lateral Amiotrófica